Carol Barbiere 1Era 7 de setembro de 2020. Por volta do horário de almoço, eu estava com muita vontade de bolo de chocolate, e meus pais me levaram para comer. Eles tinham ido me visitar naquele feriado, na cidade em que eu cursava faculdade e morava sozinha.

No caminho, resolvemos parar numa farmácia para comprar algumas coisas. Eu não me lembro muito do que aconteceu naquele dia, mas minha mãe conta que, ao chegar lá, de repente comecei a bater no vidro do estabelecimento dizendo que estava sentindo fortes dores na cabeça. Meus pais vieram correndo em minha direção e ali eu tive duas paradas cardiorrespiratórias.

Desesperados, eles me levaram às pressas para um hospital que, para a minha sorte, havia do outro lado da rua. Naquele momento, nós mal sabíamos o que estava por vir.

Fui internada imediatamente para uma cirurgia e fiquei em coma por 12 dias e depois mais 34 dias na UTI. Quando acordei, não conseguia acreditar no que me havia acontecido e na gravidade do meu caso. Por ter atingido a região do cerebelo, tive sequelas graves no tronco, que me impediam de andar e fazer movimentos simples com os braços, além de consequências na fala, dificuldade para engolir e falta de equilíbrio.

Carol Barbiere 3Eu sempre fui uma pessoa muito ativa, estava cursando faculdade de Gestão Ambiental e estava sempre viajando, em busca de aventuras e com muitos sonhos pela frente.  Foi muito assustador ter que encarar esta nova realidade.

Por conta do AVC, não consegui me formar, mas minhas amigas fizeram uma homenagem muito especial, levando uma foto minha no dia da formatura. Isso me marcou muito!

Carol Barbiere 1

Era 7 de setembro de 2020. Por volta do horário de almoço, eu estava com muita vontade de bolo de chocolate, e meus pais me levaram para comer. Eles tinham ido me visitar naquele feriado, na cidade em que eu cursava faculdade e morava sozinha.

No caminho, resolvemos parar numa farmácia para comprar algumas coisas. Eu não me lembro muito do que aconteceu naquele dia, mas minha mãe conta que, ao chegar lá, de repente comecei a bater no vidro do estabelecimento dizendo que estava sentindo fortes dores na cabeça. Meus pais vieram correndo em minha direção e ali eu tive duas paradas cardiorrespiratórias.

Desesperados, eles me levaram às pressas para um hospital que, para a minha sorte, havia do outro lado da rua. Naquele momento, nós mal sabíamos o que estava por vir.

Fui internada imediatamente para uma cirurgia e fiquei em coma por 12 dias e depois mais 34 dias na UTI. Quando acordei, não conseguia acreditar no que me havia acontecido e na gravidade do meu caso. Por ter atingido a região do cerebelo, tive sequelas graves no tronco, que me impediam de andar e fazer movimentos simples com os braços, além de consequências na fala, dificuldade para engolir e falta de equilíbrio.

Carol Barbiere 3

Eu sempre fui uma pessoa muito ativa, estava cursando faculdade de Gestão Ambiental e estava sempre viajando, em busca de aventuras e com muitos sonhos pela frente.  Foi muito assustador ter que encarar esta nova realidade.

Por conta do AVC, não consegui me formar, mas minhas amigas fizeram uma homenagem muito especial, levando uma foto minha no dia da formatura. Isso me marcou muito!

Quando recebi alta do hospital, segui meu processo de reabilitação em casa por cerca de nove difíceis meses. Em setembro de 2021, viemos para São Paulo para começar meu atendimento na AACD.

                 Carol Barbiere 4                         

Fisioterapia. Fonoaudiologia. Terapia ocupacional. Fisioterapia aquática. Cirurgias. E muito mais.

E em meio ao plano de terapias intenso, ainda precisava lidar com a adaptação de estar em uma cidade nova, longe de meus amigos. Mas até nisso a AACD me deu suporte, promovendo acompanhamento psicológico e arteterapia. “Isso foi muito importante pra mim e para o meu processo de reabilitação”

Quando recebi alta do hospital, segui meu processo de reabilitação em casa por cerca de nove difíceis meses. Em setembro de 2021, viemos para São Paulo para começar meu atendimento na AACD.

   Carol Barbiere 4  

Fisioterapia. Fonoaudiologia. Terapia ocupacional. Fisioterapia aquática. Cirurgias. E muito mais.

E em meio ao plano de terapias intenso, ainda precisava lidar com a adaptação de estar em uma cidade nova, longe de meus amigos. Mas até nisso a AACD me deu suporte, promovendo acompanhamento psicológico e arteterapia. “Isso foi muito importante pra mim e para o meu processo de reabilitação”

Atualmente, sigo fazendo algumas terapias e uso de tecnologias robóticas da AACD, como a Lokomat e Andago, que me ajudaram a retomar alguns movimentos e me dão a sensação de estar andando novamente.

Nos dias seguintes ao AVC, eu ficava pensando: “Será que eu vou conseguir voltar a andar? Será que eu vou conseguir fazer coisas do dia a dia, como comer e tomar banho?” E hoje eu consigo! Hoje, comemoro cada passo que consigo dar. Tem sido um caminho longo, mas muito gratificante de poder ver o quanto eu evoluí.

Com os avanços em minha recuperação motora, recentemente consegui realizar
meu grande sonho de retornar à faculdade e me formar em Gestão Ambiental!

Estou muito feliz de ver onde eu estou e onde eu posso chegar. E mais ainda é poder ver o quanto
a minha voz, por meio da AACD e da AACD Teleton, tem alcançado tantas pessoas.

Só tenho a agradecer pela AACD e por todos os seus funcionários, que são
incríveis e me acolheram muito nessa jornada!

Atualmente, sigo fazendo algumas terapias e uso de tecnologias robóticas da AACD, como a Lokomat e Andago, que me ajudaram a retomar alguns movimentos e me dão a sensação de estar andando novamente.

Nos dias seguintes ao AVC, eu ficava pensando: “Será que eu vou conseguir voltar a andar? Será que eu vou conseguir fazer coisas do dia a dia, como comer e tomar banho?” E hoje eu consigo! Hoje, comemoro cada passo que consigo dar. Tem sido um caminho longo, mas muito gratificante de poder ver o quanto eu evoluí.

Com os avanços em minha recuperação motora, recentemente consegui realizar meu grande sonho de retornar à faculdade e me formar em Gestão Ambiental!

Estou muito feliz de ver onde eu estou e onde eu posso chegar. E mais ainda é poder ver o quanto a minha voz, por meio da AACD e da AACD Teleton, tem alcançado tantas pessoas.

Só tenho a agradecer pela AACD e por todos os seus funcionários, que são incríveis e me acolheram muito nessa jornada!

A história da Carol serviu como inspiração para a criação do projeto Gratidão!

Além da Carol, a sua doação pode modificar a vida de outros pacientes da AACD

Volatr ao topo