Doe Agora

Perguntas frequentes-Fono Disfagia

Questões referentes à aula do Curso de Cuidadores – Tema Disfagia

 

1) Quando pode ocorrer a Disfagia?

A Disfagia pode ocorrer desde a introdução do alimento na boca até a entrada do estômago.

 

2) O que a Disfagia pode afetar?

A Disfagia pode afetar a sensibilidade ou coordenação dos músculos responsáveis pelos movimentos da deglutição.

 

3) Quais são as possíveis causas da Disfagia?

As possíveis causas são decorrentes de desordens neurológicas, desordens mecânicas, desordens do envelhecimento e de origem psicogênicas.

 

4) Cite algumas doenças que podem apresentar como causa um quadro de Disfagia.

AVC, Tumores Cerebrais, Demência, Paralisia Cerebral (PC), Lesões Encefálicas Adquiridas, Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), Parkinson, Alzheimer, Esclerose Múltipla (EM), entre outras.

 

5) Quais sintomas podem sugerir um diagnóstico de Disfagia?

O indivíduo pode apresentar tosse ou engasgo com alimentos ou saliva; febre sem causa aparente; pneumonias de repetição; pulmão cheio e o uso frequente de antibióticos; recusa alimentar; modificação do nível de consciência devido à desidratação; perda de peso; sensação de alimento parado na garganta; sonolência; mudança de voz ou rouquidão; aspiração traqueal dos alimentos (entrada de alimento nos pulmões).

 

6) Quais são os sinais esperados para um paciente disfágico?

O paciente disfágico pode apresentar dificuldades em reter o alimento na boca; demorar para engolir ou engolir várias vezes o mesmo bolo alimentar; dificuldade para mastigar; retorno do alimento para a boca ou nariz; permanência de restos de alimento na boca após deglutição; cansaço após comer; engasgos frequentes; alteração de voz e respiração após alimentação; insegurança e ansiedade no momento da refeição.

 

7) A que a disfagia pode levar?

A Disfagia pode levar o paciente a um quadro de desidratação, desnutrição e pneumonias de repetição, além de depressão, medo, ansiedade e frustrações. E, em casos mais graves, levar o paciente à morte.

 

8) Qual é o papel do fonoaudiólogo no atendimento ao paciente disfágico?

O fonoaudiólogo é responsável pela avaliação e reabilitação dos distúrbios da deglutição; além de acompanhar e realizar exames necessários para o diagnóstico da Disfagia. E os encaminhamentos necessários para equipe interdisciplinar.

 

9) Quais são os objetivos fonoaudiológicos para o atendimento do paciente com Disfagia?

– Orientação de uma alimentação com consistências adequadas;

– Modo de ofertar a alimentação;

– O uso do utensílio mais adequado para cada consistência;

– O controle de volume para evitar engasgos e favorecer a deglutição;

– Orientar cuidadores em todas as refeições do paciente;

– Realizar manobras de deglutição que irão auxiliar o ato de engolir com mais segurança;

– Favorecer a rotina da alimentação; diminuir os riscos de aspiração traqueal, proporcionando melhora na qualidade de vida do paciente;

– Favorecer o prazer oral quando o paciente já utiliza sonda para se alimentar.

 

10) Qual é a importância do cuidador no manejo com o paciente disfágico?

O cuidador terá um papel importante na rotina de alimentação do paciente, realizando todas as orientações dadas pelo fonoaudiólogo no momento da alimentação, além de ser o mediador entre o profissional e a família caso observe alterações que possam indicar piora ou dificuldades na dinâmica de deglutição.

 

11) Por que a comunicação é importante?

Ela é fundamental para a inserção social, as trocas afetivas e a obtenção de informações. É por meio dela que as pessoas compartilham experiências,  ideias e sentimentos.