Doe Agora

Casos de microcefalia na AACD

                                                      destaque1_chamada

Em fevereiro deste ano, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou emergência em saúde pública internacional pela microcefalia e outras anormalidades neurológicas relacionadas ao Zika Vírus. O número de casos notificados de recém-nascidos com microcefalia no Brasil, com destaque para Pernambuco, é grande e exige uma mobilização intensa dos profissionais de saúde da região, na busca pelo conhecimento do evento e adoção de medidas de saúde Pública para detecção precoce e assistência aos pacientes.

No fim do ano passado, a Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco fechou uma parceria com a AACD Recife e, em janeiro deste ano, a Instituição se tornou referência no atendimento de reabilitação de pacientes com a infecção congênita, realizando o acompanhamento, provavelmente relacionado com o Zika Vírus.

Atualmente, a AACD Recife tem 182 pacientes confirmados com microcefalia na faixa de 01 e 07 meses de idade. A equipe médica é formada por fisiatras, neuropediatras, ortopedistas, oftalmologista e geneticista, além de alguns especialistas como otorrinolaringologista.

Já os pais recebem atendimento psicológico e participam de grupos na Fonoaudiologia, sempre com ênfase em terapias de linguagem e alimentação. O Serviço Social tem desempenhado um papel importante, oferecendo orientações em relação aos direitos e benefícios, oferecidos pela própria Constituição, que a criança com microcefalia tem como garantia.

Pelo cenário epidêmico encontrado no País e a grande demanda de pacientes microcefálicos chegando a AACD, médicos geneticistas de vários estados decidiram realizar um mutirão de atendimento nas cidades com o maior número de crianças afetadas. Recife foi uma delas, tendo a Instituição como referência.

.                                    Desktop 09-05-2016 10-57-37-857

Para a fisiatra Vanessa Van Der Linden (foto), responsável pelo atendimento clínico na AACD Recife, a participação da Instituição neste cenário preocupante de saúde merece destaque. “Não tenho dúvidas que estamos escrevendo mais um importante capítulo da história da AACD, requerendo os conhecimentos adquiridos ao longo dos 65 anos de atividades na resolução destes casos”.